PARÁ: Estado emite alerta epidemiológico da "doença da urina preta"


A rabdomiólise é uma síndrome clínico-laboratorial que decorre da lesão muscular com a liberação de substâncias intracelulares para a circulação sanguínea. Ocorre normalmente em pessoas saudáveis, na sequência de traumatismos, atividade física excessiva, crises convulsivas, consumo de álcool e outras drogas, infecções e ingestão de alimentos contaminados, que incluem o pescado. 


O quadro clínico da doença pode incluir elevações assintomáticas das enzimas musculares séricas (creatinina-fosfoquinase – CPK).

CASOS NO AMAZONAS

A secretaria estadual de Saúde do Amazonas recomentou na quarta-feira (1º) a restrição temporária do consumo de peixes que possam estar associados aos casos de rabdomiólise, também conhecida como “doença da urina preta”.


A medida que durará 15 dias vale para a população da cidade de Itacoatiara, localizada a 270 quilômetros de Manaus, que concentra o maior número de casos e já registrou uma morte em decorrência da doença. Os peixes que não devem ser consumidos na cidade são: pirapitinga, pacú e tambaqui de origem da pesca de rios e lagos.

ALERTA NO PARÁ

O governo do estado, através da Secretaria Estadual de Saúde (SESPA), emitiu no dia 01/09, um alerta epidemiológico sobre o "risco da ocorrência de casos de doença Haff". A SESPA, já se prepara para um possível surto da doença no estado. 

LEIA ABAIXO A NOTA. 







Postar um comentário

0 Comentários