PARÁ: Por que Santarém não está seguindo o Plano Nacional de Vacinação para a Covid-19?


O Plano Nacional de Operacionalização de Vacinação contra a Covid-19 (PNO) avançou para a fase de orientação da imunização de pessoas com comorbidades. O termo é empregado para pessoas com condições de saúde diversas, como doenças crônicas, que podem facilitar a evolução do quadro de infecção para uma situação grave, o que traz mais riscos de morte e sobrecarrega do sistema de saúde, com internações.


Mas como comprovar as chamadas comorbidades? O Ministério da Saúde orienta que as pessoas estejam pré-cadastradas no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI) ou em unidades de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).


Contudo, isso não é uma condição. Qualquer pessoa que se enquadrar no grupo de comorbidades pode se dirigir ao posto de vacinação e apresentar algum tipo de comprovação de sua condição de saúde. Entre as comprovações estão exames, relatórios médicos, receitas, prescrições médicas, diagnósticos ou documentos semelhantes que comprovem que o cidadão possui uma das doenças ou condições listadas.

CRITÉRIOS

O Ministério da Saúde orientou as autoridades locais de saúde, através do PNO, que dentro do universo das pessoas acometidas com comorbidades, seja empregado o critério de idade em grupos de intervalos de cinco e dez anos.


Assim, seriam imunizados primeiro as pessoas com 55 a 59 anos. Em seguida, aquelas com 50 a 54 anos. E assim por diante até a idade mínima dos grupos prioritários, de 18 anos.

SANTARÉM NÃO SEGUE

O município de Santarém, no Oeste do Pará, não está seguindo o que determina o PNO, de acordo com as orientações do Ministério de Saúde.


A vacinação deve seguir de acordo com a idade, para os grupos de comorbidades. Porém o município de Santarém, seguiu o caminho inverso.

Com a estimativa de que apenas no grupo de comorbidade façam parte mais de 17 milhões de brasileiros, a vacinação será dividida em várias etapas, priorizando a população de acordo com sua idade e maiores riscos de gravidade e morte. 

Na 1ª fase da imunização devem ser vacinadas:

- pessoas com Síndrome de Down, independente de sua idade;

- pessoas com doença renal crônica e em terapia de substituição renal (diálise), independente de sua idade;

- puérperas com comorbidade, independente da idade;

- pessoas com comorbidade entre 55 e 59 anos;

- pessoas com deficiência permanente cadastrada no Programa de Benefício de Prestação Continuada (BPC) entre 55 e 59 anos.

Já nas fases seguintes da imunização, serão consideradas as idades, seguindo dos mais velhos para os mais novos. Ou seja, a imunização será de pessoas com comorbidades, pessoas com deficiência permanente cadastradas no BPC e puérperas entre:

- 50 a 54 anos (2ª fase);

- 45 a 49 anos (3ª fase);

- 40 a 44 anos (4ª fase);

- 30 a 39 anos (5ªfase);

- 18 a 29 anos (6ªfase).

Abaixo segue a lista das comorbidades, da 2ª a 6ª fase.

- doenças causadoras de imunossupressão: lúpus eritematoso sistêmico, síndrome de Cushing, espondilite anquilosante e outras;

- doenças cardiovasculares: arritmia cardíaca, cardiopatia hipertensiva, insuficiência cardíaca, cardiopatia congênita;

- doenças pulmonares: fibrose cística, hipertensão pulmonar, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), enfisema, asma;

- síndromes coronarianas: angina instável, infarto agudo do miocárdio;

- valvulopatias: aórtica, mitral, pulmonar e tricúspide;

- miocardiopatias e pericardiopatias: doenças que atingem o miocárdio e o pericárdio;

- doença da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas;

- próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados;

- diabetes mellitus;

- hipertensão arterial;

- doenças cerebrovasculares: acidente vascular cerebral;

- doença renal crônica;

- transplantados;

- HIV;

- doenças reumáticas;

- câncer;

- anemia falciforme e talassemia maior;

- cirrose hepática;

- obesidade mórbida.

Postar um comentário

0 Comentários