Banner

Banner

URGENTE: Petrobras alerta para novo reajuste no preço do diesel nas próximas semanas


Enquanto o presidente Jair Bolsonaro pressiona governadores para reduzir a carga tributária sobre os combustíveis como forma de diminuir os preços na bomba, a Petrobras acaba de soltar hoje (8), uma nota à imprensa alertando para a necessidade de novos aumentos no preço do diesel.

De acordo com a nota da estatal, o cenário é de escassez global, o que faz o abastecimento nacional requerer uma atenção especial.


“Como o país é estruturalmente deficitário em óleo diesel, tendo importado quase 30% da demanda total em 2021, poderá haver maior impacto nos preços e no suprimento”, alerta a estatal.

O quadro se acentua principalmente diante do consumo do combustível ser mais alto no segundo semestre devido às sazonalidades das atividades agrícola e industrial. “Ressalta-se, também, que o mercado interno registrou recorde de consumo de óleo diesel no ano passado e essa marca deverá ser superada em 2022”, ressalta a Petrobras.

Defendendo a atuação da empresa na conjuntura econômica atual, a Petrobras reforça que a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado “é condição necessária para que o país continue sendo suprido sem riscos de desabastecimento pelos diversos agentes”.

Ou seja, sem reajuste de preços o país corre sério risco de desabastecimento do diesel.

A proposta do governo Bolsonaro é zerar os impostos federais sobre a gasolina e o gás de cozinha. A alíquota dos tributos como a PIS/Cofins para o diesel já foi zerada em 2021.

Enquanto isso, tramita no Congresso um projeto de lei complementar (PLP 18) que estabelece teto de 17% para o ICMS cobrado pelos Estados sobre os preços de gasolina, diesel, energia, telecomunicações, gás e transporte urbano.

Mesmo com todo esse malabarismo fiscal, a União pode queimar impostos em vão: além de não reduzir os preços dos combustíveis na bomba, o governo corre risco de desabastecimento caso a Petrobras não elimine a desfasagem entre o preço interno e o preço internacional.


Postar um comentário

0 Comentários