Projeto de criação do Estado do Tapajós sem previsão para entrar na pauta da CCJ do Senado


Nesta quarta-feira, 24, a votação do projeto sobre a criação do estado do Tapajós foi adiada novamente. O motivo desse adiamento se dá pelas discussões em torno da PEC do Precatórios e da sabatina de André Mendonça, indicado para o Supremo Tribunal Federal, que derrubaram a pauta.

O novo estado do Tapajós, segundo o parecer do relator, teria 43% do atual território do Pará, aproximadamente 538 mil quilômetros quadrados. O Produto Interno Bruto estimado da região é de R$ 18 bilhões, segundo dados de 2018. O estado teria 3 senadores, 8 deputados federais e 24 estaduais. Tapajós ficaria com 23 municípios e cerca de 2 milhões de habitantes. Santarém é a cidade mais cotada para ser a capital.

Além de Santarém, prevista para ser a capital, fariam parte do novo estado os municípios de Alenquer, Almeirim, Aveiro, Belterra, Brasil Novo, Curuá, Faro, Itaituba, Jacareacanga, Juruti, Medicilândia, Mojuí dos Campos, Monte Alegre, Novo Progresso, Óbidos, Oriximiná, Placas, Prainha, Rurópolis, Terra Santa, Trairão e Uruará.

CCJ DO SENADO

O projeto entrou primeiramente na pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), na reunião do dia 17/11, sendo que o Senador Jader Barbalho (MDB), pediu vista do projeto.

A proposta retornou para a pauta da reunião de ontem (24), porém mais uma vez, não houve espaço para se debater e votar o projeto.

Na Casa, há um compromisso do presidente, Rodrigo Pacheco, de fazer um esforço concentrado na terça (30), quarta (1) e quinta-feira (2) para zerar a pauta de sabatinas pendentes de autoridades indicadas a assumir cargos em tribunais superiores e em conselhos. Em meados de dezembro os senadores entram em recesso de fim de ano. Ou seja, o projeto de Criação do Estado do Tapajós, não tem previsão de entrar novamente na pauta da CCJ do Senado.

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Como cidadã santarena teria como sim o Estado do Tapajos para que o novo estado tivesse um governador e poder usufruir da arrecadação e desenvolver melhor o que de melhor em arrecadação de lugares e setores temos para administrar o Estado do Tapajos com a capital Santarem, mas a ganância do estado do Pará com capital Belém é o governador engavetado esse projeto pra não perder o que já é visa na visão de políticos que querem se dar nem individualmente e dividindo um pouco com outros de pensamentos interesseiro. Por exemplo com o pensamento que expresso e me incluísse na intenção de givernar um estado seria exterminada do mapa. Porque como penso está longe de acontecer com manipuladores políticos viciados na ilicitude. É o que penso e me dão oportunidade de esternar, creiam sou verdadeira.Que Deus nos abençoe sempre e podermos dizer o que pensamos. E deixar um momento e pensar em progresso de verdade. Não só mostrar trabalho próximo a eleição e engavetar o que seria melhoria para umz população como Santarem.

    ResponderExcluir