SANTARÉM: Residencial Moaçara não terá obras retomadas em 2021. Uma triste situação!

Entre os vetos feitos pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para viabilizar a sanção do Orçamento de 2021 está um corte de mais de 98% dos recursos destinados ao Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), que financia as obras da faixa 1 do antigo Minha Casa Minha Vida, hoje chamado de Casa Verde e Amarela.

O orçamento inicialmente previsto pelo Congresso, de R$ 1,540 bilhão, foi praticamente zerado, chegando a R$ 27 milhões — uma redução de R$ 1,513 bilhão, ou 98,2%. O corte gigantesco acontece justamente na faixa do programa voltada às famílias de baixa renda, que ganham até R$ 1,8 mil.

O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, disse ver com "muita preocupação e perplexidade" o corte nas verbas do Orçamento para o Casa Verde e Amarela. Segundo ele, essa redução deve paralisar as obras de 250 mil casas que já estão em construção, além de afetar cerca de 250 mil empregos diretos e 500 mil indiretos.

RESIDENCIAL MOAÇARA

Em Santarém, Oeste do Pará, a retomada das obras do Residencial Moaçara, foram afetadas devido aos cortes no Fundo de Arrendamento Residencial (FAR)As obras iniciaram em 2011, com a proposta de entregar 1.408 apartamentos, para famílias de baixa renda. Já são 10 anos que as obras do Residencial Moaçara, se arrastam.

FAMÍLIAS CADASTRADAS

O Trabalho Técnico Social (TTS) contabilizou 7.039 inscritos no programa, sendo que desses, 5.114 estão aptos para serem encaminhados à avaliação da Caixa Econômica Federal para concorrerem a um apartamento no Residencial Moaçara. Cabe à instituição financeira [Caixa] fazer a seleção das pessoas que serão contempladas com os apartamentos.


Postar um comentário

0 Comentários