PARÁ: Como um dos maiores hotéis da região Norte, vem enfrentando a crise no turismo?

O setor de turismo, um dos mais castigados pela pandemia, já começa a registrar sinais de recuperação no Brasil, mas só deverá retornar aos patamares de faturamento anteriores à crise sanitária, em 2023. No que diz respeito ao turismo de lazer, a expectativa é que o mercado doméstico seja a grande estrela na retomada das viagens.

Em Santarém, no Oeste do Pará, o Hotel Barrudada (reservas aqui), vem investindo na transformação de sua estrutura, com a proposta de novas acomodações e com a criação de promoções para captar novos hóspedes. 

Um exemplo de investimento e a preparação de acomodações mais luxuosas, com preços mais acessíveis aos clientes. 

No mês de Março, a ocupação do hotel chegou a 62,54 %, mesmo com a pandemia.

As novas suítes devem entrar no portfólio de serviços da empresa dentro de 60 dias. "Estamos felizes em apresentar esse novo conceito personalizado aos viajantes que vem a Santarém", comentou o empresário do ramo de turismo, Paulo Barrudada.




Já sabemos que o turismo é uma das indústrias mais atingidas nacional e globalmente pela pandemia do novo coronavírus. Também já sabemos que a reabertura completa dos hotéis virá cheia de modificações e novos investimentos para atender às novas exigências de saúde, limpeza e segurança.

Afinal, nem só de espera ou investimentos em novos protocolos de limpeza vive a hotelaria de hoje, felizmente. A habilidade da indústria hoteleira em rapidamente se adaptar às necessidades e mudanças do mercado é notória, e não seria diferente neste momento.

- O Hotel Barrudada, vem apostando em promoções nas acomodações, com a redução no preço das diárias dos apartamentos e suítes. Tanto para se hospedar durante a semana, como também nos finais de semana. Os descontos podem variar de 50% a 70%. 

O editor do Tapajós Notícias, esteve visitando as dependências do Hotel Barrudada, para acompanhar como um dos maiores hotéis da região norte, vem superando a crise no turismo, por causa da pandemia do novo coronavírus. 













Postar um comentário

0 Comentários