Município de Aparecida tem taxa de 80% de desemprego, por causa da pandemia


Sem os turistas católicos, o mercado da fé entrou em ruína e o impacto da pandemia de coronavírus na arrecadação quebrou uma cidade. Aparecida, município de 36 mil habitantes localizado a 170 km de São Paulo, vive da peregrinação de fiéis ao Santuário Nacional. A receita e os postos de trabalho são atrelados à rotina do templo construído em homenagem à santa surgida no Rio Paraíba do Sul, no século 18.

Em tempos normais, o Santuário atrai 13 milhões de pessoas por ano. Em 2020, no entanto, permaneceu sete meses fechado. Agora, na fase mais dura da covid-19, uma série de restrições de funcionamento voltou a ser imposta, conforme os critérios do plano emergencial do governo do Estado. A prefeitura foi à Justiça contra o decreto do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e ganhou uma liminar, mas perdeu em seguida.


Antes, eram 2,5 mil comerciantes e outros 600 vendedores ambulantes vivendo da devoção dos peregrinos e pagando licenças de funcionamento à prefeitura. Atualmente, só 5% dos 150 hotéis estão abertos. A maioria fechou e demitiu funcionários. De acordo com a administração municipal, o desemprego em Aparecida alcança a taxa de 80%.

"Com esse fechamento agora, a cidade acabou de quebrar. Está socioeconomicamente destruída", afirmou o prefeito Luiz Carlos de Siqueira (Podemos).

CESTAS BÁSICAS 

No "desespero" e sem agenda marcada, Siqueira foi até Brasília apelar para o ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos). Conseguiu 7 mil cestas básicas. Ligado ao presidente do DEM, ACM Neto, Roma foi pessoalmente a Aparecida fazer a entrega, levando a tiracolo deputados e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Postar um comentário

0 Comentários