Você acompanhou o embate entre Nélio Aguiar e Alexandre Von nas redes sociais?

Na quarta-feira (9), o Prefeito de Santarém, Nélio Aguiar, publicou nas redes sociais um texto informando sobre um rombo de 96 milhões de reais que seu governo herdou do antecessor, o ex-prefeito Alexandre Von.

Um dos pontos comentados por Nélio Aguiar era que, "a máquina inchada prejudicava o desenvolvimento e impedia o crescimento do município".

Após 24 horas da publicação da postagem, o ex-prefeito Alexandre Von, publicou também nas redes sociais um texto fazendo o contra ponto em cima da denúncia do atual prefeito. Veja abaixo o embate que ocorreu nas redes sociais entre os dois políticos. 


 

Em 2017, quando assumi a Prefeitura de Santarém, encontrei um rombo de R$96 milhões nos cofres públicos. A máquina inchada prejudicava o desenvolvimento e impedia o crescimento do município. Santarém estava com o nome sujo e impossibilitada de buscar financiamentos e emendas para a execução de novos projetos.⁣ Foi preciso começar do zero, arrumar a casa, colocar as contas da Prefeitura em dia e, assim, converter despesas em investimentos.⁣ Pouco a pouco recuperamos nossa economia e Santarém voltou a crescer. Agora, o trabalho precisa avançar ainda mais. Ao lado de Zé Maria Tapajós, meu vice e parceiro de luta, vamos seguir em frente com as conquistas que fazem tão bem a Santarém. E vamos fazer isso juntos. Com transparência, compromisso e principalmente, responsabilidade com o dinheiro público.

 

O atual prefeito santareno insiste em acusar a nossa gestão de ter endividado e inviabilizado sua gestão. Não é com hipocrisia, desfaçatez e mentiras que o atual gestor recuperará sua credibilidade arruinada. Mentiu na campanha com promessas fantasiosas, mentiu durante toda a gestão gerando falsas expectativas na população e, mais uma vez, mente ao apresentar números inverídicos sobre a pandemia do COVID em nosso Município. Para acabar de vez com mais essa farsa, apresentarei aos amigos informações, números e documento da nossa gestão. Quanto aos recursos disponíveis, nossa gestão deixou em contas bancárias o valor total de R$ 37.516.553,13 (Trinta e Sete Milhões, Quinhentos e Dezesseis Mil, Quinhentos e Cinquenta e Três Reais e Treze Centavos), conforme Termo de Conferência e Disponibilidade Financeira em anexo. Some-se a isso, dentre outros, o contrato de pavimentação de vias urbanas (PRÓ TRANSPORTE), no valor total de R$ 22.118.553,10, tendo sido executado em nossa gestão o valor de R$ 8.710.709,24 e deixado um saldo contratual de R$ 13.407.843,86. Acrescente-se a esses valores, o montante de recursos que foram transferidos no início da atual gestão, que se referem a serviços executados e valores gerados na gestão anterior. Como é possível falar em “começar do zero”, diante de valores tão expressivos como os aqui demonstrados? Ao contrário do que diz o prefeito atual, o Município possuía sim, ao final da nossa gestão, capacidade de endividamento e de pagamento para contrair novos empréstimos. Quanto às contribuições previdenciárias federais, encontramos pendências de gestões de mais de 15 anos. Ao longo da nossa gestão, por exemplo, efetuamos pagamentos volumosos de dívidas previdenciárias que se acumulavam desde o ano de 1998. Nos primeiros meses da atual gestão, o governo federal editou Medida Provisória que permitia o reparcelamento dessas dívidas em condições altamente favoráveis. A Prefeitura aderiu e renegociou, e o seu pagamento será realizado em 200 meses. O tempo se encarregará de revelar os números ocultos da atual gestão: IPG, gastos sem licitação com recursos da pandemia, gastos com assessores (DAS), gastos com publicidade, recursos da iluminação pública, convênios, empréstimos, dentre outros. Quanto a mim, reafirmo: Em 32 anos de vida pública, nunca fui acusado de estelionato eleitoral, nunca fui condenado por desvio de recursos públicos, nunca cometi qualquer crime que envergonhe minha família, meus amigos e a sociedade santarena. Minha conduta não mudará.

Postar um comentário

0 Comentários