PARÁ: Sindicato dos estabelecimentos particulares defende retorno às aulas




As escolas estão autorizadas a retornarem as atividades escolas presenciais em municípios que estejam em bandeira amarela, verde e azul a partir do dia 1º de setembro. Apesar da liberação, as instituições deverão seguir em funcionamento com a capacidade reduzida e vários cuidados a mais para evitar a proliferação do novo coronavírus. 

Em coletiva realizada na tarde desta sexta-feira, 28, a presidente do Sindicato Estabelecimentos Particulares Ensino do Estado Pará (Sinepe), Beatriz Padovani, ressaltou a importância da educação e afirmou que o retorno foi estudado com muita cautela. 

As universidades particulares irão retornar no dia primeiro, mas seguindo as mesmas recomendações das escolas. "A criança na escola, ela tem menos chance de se contaminar do que em outras atividades, por exemplo, no playground dos próprios prédios, no supermercado com os pais. A escola não tende a ser um vetor de contaminação para as famílias nessa etapa", afirma Padovani. 

"O Sindicato será fiscal e fará com que o decreto seja cumprido a risca. Não há nenhum interesse das instituições particulares em por os alunos em risco", informa Padovani. 

Cada entidade vai ter liberdade de a partir do dia 1º de setembro iniciar o retorno das aulas. "Há uma pressão maior pelo terceiro ano de ensino médio em decorrência do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio)", diz. 

As escolas e universidades deverão respeitar as medidas de distanciamento e os protocolos de segurança apresentados pelo Comitê Técnico Assessor de Respostas Rápidas à Emergência em Vigilância em Saúde Referentes ao Novo Coronavírus (Ncov), da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).






Postar um comentário

0 Comentários