PARÁ: Balsa da Bertolini se envolve em mais um acidente fluvial

A redação do Tapajós Notícias tomou conhecimento que na madrugada do dia 21/08/2020 por volta das 3h da manhã, houve um acidente fluvial grave, mais precisamente na comunidade de Catauari que fica há 2 horas de Santarém. 

O acidente envolveu uma embarcação de madeira de 20 metros por nome Fazenda Boa Fé, projetada para transporte de carga viva (animais), e a embarcação de ferro da Transportes Bertolini Ltda, identificado como empurrador 68/69 casco Bertolini 104, que formava o comboio com 4 grandes balsas graneleiras a qual colidiu com a embarcação Fazenda Boa Fé, ocasionando assim o naufrágio da mesma. 

Balsa Fazenda Boa Fé (Naufragada)

No momento do acidente os tripulantes da embarcação de madeira Fazenda Boa Fé, conseguiram se jogar no rio para salvarem suas vidas, devido ao choque violento causado pelo comboio de balsas.

O relato de uns dos tripulantes da balsa Fazenda Boa Fé, informa que a manobra de passagem ao lado do comboio de balsas da Bertolini, foi feita em comum acordo com a tripulação do rebocador da empresa, onde eles sabiam que uma embarcação estava seguindo ao lado do comboio. 

Entramos em contato com o proprietário da embarcação Sr. Manoel Adriano que nos informou que está tentando localizar e recuperar a embarcação por conta própria e que ainda encontra-se naufragada e desparecida no rio, e que o mesmo está preocupado não só com seu patrimônio que está naufragado, mas também por conta do óleo diesel que está no tanque da embarcação naufragada, que pode vir a vazar e causar um dano ambiental. 

Por outro lado procuramos a diretoria da empresa da Transportes Bertolini Ltda em Santarém para dar esclarecimentos sobre o acidente e recebemos a seguinte informação. "O relato da tripulação apurado em inquérito administrativo é absolutamente claro no sentido de que o causador do acidente é a embarcação Ferry Boat Fazenda Boa Fé que realizou ultrapassagem em desacordo com as normas e responderá aos danos causados à TBL assim que apurados".


TREINAMENTO 


Em matéria publicada no Blog do Jeso, o MTP (Ministério Público do Trabalho) no Pará e Amapá ajuizou em julho de 2020, ação civil pública contra a empresa Bertolini Transportes, envolvida em acidente no rio Amazonas em agosto de 2017, no município de Óbidos. E a Justiça acatou os pedidos do MPT.

No acidente, o rebocador CXX, de propriedade da empresa, colidiu com o navio mercante Mercosul Santos. 9 empregados da transportadora morreram.

No pedido à Justiça, o MPT reforça que a empresa tem obrigação de promover aos empregados treinamento, qualificação, capacitação e reciclagem para evitar novos acidentes de trabalho e navegação.

O MTP apresentou – pós acidente – proposta de Termo de Ajuste de Conduta, mas a empresa não teve interesse em celebrar o compromisso e argumentou que a culpa do acidente foi exclusivamente dos aquaviários do navio Mercosul Santos.

Baseado em investigação das autoridades marítimas e ainda no Relatório de Inspeção da Superintendência do Trabalho, para o MPT não restam dúvidas que a Bertolini é a corresponsável pelo acidente de trabalho, que vitimou, em primeiro plano, os seus empregados e, em segundo plano, toda a sociedade.

A decisão da Justiça do Trabalho de Óbidos, no último dia 16, garante a concessão de tutela provisória de urgência e determina, dentre outras, que a Bertolini instrua, de forma apropriada e suficiente, os empregados quanto às precauções a tomar para evitar acidentes de trabalho e mantenha em perfeito estado as condições de navegabilidade e de funcionamento de equipamentos de navegação, como rádio, radar, sistemas de governo e propulsão, dentre outros, para propiciar a segurança da navegação.

Além disso, que submeta trabalhadores habilitados a treinamento, qualificação, capacitação e reciclagem a cerca das medidas previstas no Regulamento Internacional para Evitar Abalroamento no Mar (RIPEAM).

As obrigações devem ser cumpridas no prazo de 30 dias.


Postar um comentário

0 Comentários