Ministério da Defesa retoma as fiscalizações contra os garimpos ilegais no Pará

         

O Ministério da Defesa recuou da criação tomada na última quinta-feira (6) de interromper as ações contra crimes ambientais na terra indígena Mundukuru, no Pará. Segundo o ministério, os indígenas pediam pelo fim das ações. Mas a Defesa anunciou nesta sexta-feira (7) que vai retomar o combate ao crime ambiental. 

Na quarta-feira (6) o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, visitou a terra indígena e foi alvo de protestos. O grupo de manifestantes chegou a impedir a decolagem de um helicóptero e um avião.

SUSPENSÃO DO COMBATE A GARIMPOS ILEGAIS

Ministério da Defesa anunciou na quinta-feira (6) a suspensão das operações de combate a garimpos ilegais na Terra Indígena Munduruku , no Oeste do Pará. A suspensão foi anunciada um dia após um grupo de garimpeiros protestar contra a operação e pedir ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles , que ela fosse suspensa.

As operações de combate a garimpos ilegais no Oeste do Pará vinham ocorrendo há algumas semanas como parte da operação Verde Brasil 2, coordenada pelo Ministério da Defesa. Fiscais do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama)vinham destruindo equipamentos e desmontando garimpos na região que é conhecida como um dos principais polos de mineração ilegal do país.

Na quarta-feira, Salles foi a Jacareacanga, um dos municípios da região, acompanhar o andamento da operação. Ao desembarcar no aeroporto da cidade, ele se encontrou com garimpeiros indígenas e não-indígenas que pediram que ela fosse suspensa. Os garimpeiros chegaram a invadir a pista e impediram a decolagem de uma aeronave militar que dava 

No Twitter, Salles postou um vídeo com imagens das clareiras abertas por garimpeiros na região. Na quarta, Salles ouviu um grupo de garimpeiros indígenas e não-indígenas que estavam reunidos no aeroporto de Jacareacanga e disse que era preciso fazer um debate “de maneira aberta” sobre a possibilidade de os índios praticarem a mineração em suas terras.

Postar um comentário

0 Comentários