ALERTA: Fiocruz identificou três linhagens do Covid-19 na região Amazônica

  

Com informações do UOL/Carlos Madeiro.

Três linhagens diferentes do COVID-19 circulam ou circularam na Amazônia desde a chegada do vírus no país. É o que dizem os sequenciamentos de RNA e análises realizados pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) em amostras de pacientes infectados nos estados do Amazonas e de Rondônia. A análise dos genomas indica que a covid-19 deve ter sido "importada" de países da Europa, mas de locais diferentes. Com isso, sabe-se que o vírus teve ao menos três entradas diferentes na região. Os estudos agora seguem para saber não só a origem exata, mas a data de chegada à região.

No Amazonas, foram examinados 37 genomas da capital, Manaus, e do interior do estado. Lá, três tipos diferentes do COVID-19 —A2, B1 e B1.1— foram achados. Já em Rondônia foram oito genomas estudados, que mostraram dois tipos B1 e B1.1 similares aos achados no Amazonas. Uma das hipóteses levantadas é que o vírus tenha chegado primeiro no Amazonas, por conta da maior movimentação de turistas, e seguido de lá para outros estados da região. "Não sabemos ainda se foi direto do Amazonas para Rondônia, ou ao contrário; ou se as linhagens B1 e B1.1 são uma coincidência", diz o pesquisador da Fiocruz Amazônia e coordenador do estudo no Amazonas, Felipe Naveca.

A pesquisa no estado conta com a parceria da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas e o apoio da Fapeam (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas), por meio da Rede Genômica de Vigilância em Saúde. 

Naveca explica que os vírus B1 e B1.1 têm maior circulação no Reino Unido, Estados Unidos e Austrália. "O B.1.1 já é um derivado de B.1. Usamos essa informação para nos ajudar a traçar a rota por onde os vírus passaram", diz. Além deles, em Manaus ainda foi achado o tipo A2, mas que teve uma circulação menor e, ao que tudo indica, não saiu da capital. Esse vírus circulou basicamente em Espanha, Reino Unido e Austrália.

Com isso, a imunização de pessoas já recuperadas, terapias a partir de anticorpos ou até uma futura vacinação podem ser 'ineficientes' para evitar novas ondas da pandemia.

Em regra, não se sabe se algum tipo é mais grave que outro. "Até agora ninguém conseguiu mostrar uma relação entre linhagem e gravidade", explica. O sequenciamento revelou que dois tipos de vírus diferentes chegaram a cidades pequenas do estado, como Manaquiri (que tem 33 mil habitantes). "Todos os tipos tiveram origem na Ásia como ancestral. Na verdade, mesmo sendo uma linhagem europeia, é possível que tenha vindo de outros locais. Nós estamos conduzindo essas análises mais refinadas agora no sentido de inferir a origem mais precisamente", conta.





Postar um comentário

0 Comentários